Os temores nossos de cada dia…

Os temores nossos de cada dia

Você desenvolve um ótimo projeto e seu chefe lhe propõe uma apresentação para uma platéia cheia.

É uma boa chance para mostrar seu talento a todos. Porém você declina da proposta porque a idéia de encarar um grupo de pessoas faz a barriga doer. O que leva as pessoas a esse tipo de decisão?

Um sentimento bem antigo e que esteve e sempre estará presente na humanidade: o medo, seja ele pequenino ou enorme. É, porque não somos visitados apenas pelos grandes temores – da morte, de ter uma doença grave, de sofrer um desastre e afins. No dia-a-dia, somos colocados diante de várias situações em que precisamos decidir entre encarar ou parar. E às vezes desistimos pelo receio de lidar com o incerto em um grau menor ou maior.

O sociólogo polonês Zygmunt Bauman, descreveu bem esse tipo de sentimento em seu livro Medo Líquido. Em um trecho da obra, ele compara o medo à travessia pela neblina, onde não se pode enxergar 30 m à frente. Bauman diz: “Fiel a esse ‘viver na neblina’, nossa ‘certeza’ direciona e focaliza nossos esforços de precaução sobre os perigos visíveis, conhecidos e próximos, perigos que podem ser previstos e cuja probabilidade pode ser calculada – embora os perigos mais assustadores e aterrorizantes sejam precisamente aqueles cuja previsão é impossível, ou extremamente difícil: os imprevistos, e muito provavelmente imprevisíveis”.

O medo tem, então, a ver com encarar o imprevisível e com coragem para enfrentar o que não lhe é confortável. Mas, que fique claro, ter medo não é sinal de fraqueza porque ninguém precisa ser corajoso o suficiente para passar pela vida com o peito aberto para tudo. A questão é quando começamos a declinar demais e sem perceber colecionamos uma série de desistências. E isso, ao longo do caminho, gera uma frustração danada, insegurança e mais medo e pode até abalar o que nos é tão caro: a autoconfiança. Então, que tal fazer um balanço dos medos que incomodam, os pequeninos mesmo? Reconhecê-los é o primeiro passo. E assim ter uma vida mais leve e sem tantos tropeços porque, afinal, às vezes é preciso seguir pela tal da neblina e encarar o caminho, apesar das incertezas.

Um instinto a seu favor

Há mesmo o medo de coisas que vêm da fantasia de cada um. A imaginação constrói, avoluma e, por vezes, aprisiona. Mas não vamos negar o medo que é acionado por um instinto de preservação. Esse é seu parceiro. Por exemplo, é tarde da noite, você está só, assistindo TV, quando uma porta bate. Não dá outra: o coração dispara, os músculos se enrijecem e todos os sentidos ficam em alerta. Alguns segundos depois, quando percebe que era só o vento – e não um acontecimento incomum –, é que você volta a relaxar. Isso acontece porque em momentos de perigo iminente seu cérebro aciona um mecanismo ancestral que serve para torná-lo mais apto para a fuga ou o combate. O objetivo disso é preservar a vida. E o gatilho que dispara esse circuito é um velho conhecido: o medo. Aliás, ele não é algo exclusivo do ser humano. Todos os animais compartilham essa emoção, e é graças a ela que a gazela sai correndo quando vê um leão. 

Esse tipo de medo é considerado positivo e necessário porque serve para nos proteger. É ele que nos faz, por exemplo, olhar para os dois lados antes de atravessar a rua – e não ser atropelado – ou impede, diante de um penhasco, que alguém se atire em queda livre, sem receio.

Aliás, o mecanismo biológico por trás de qualquer tipo de medo (do bom e protetor àqueles que nos apavoram) é igual. O psicobiólogo Marcus Lira Brandão, explica que o medo provoca uma reação em cadeia no cérebro, que tem início com um estímulo de estresse, como uma platéia lotada ou uma batida repentina na porta. Funciona assim: uma vez recebido o sinal de estresse, o hipotálamo (região no cérebro) informa todos os circuitos cerebrais que é preciso entrar em ação, liberando hormônios como adrenalina e noradrenalina na corrente sanguínea.

Esses hormônios deixam o corpo mais alerta, pronto para lidar com uma ameaça. Daí aumenta a freqüência cardíaca, os sentidos ficam mais aguçados e os músculos tensos. “Tudo isso acontece para que a gente possa correr adoidado para fugir de um perigo ou, se for o caso, enfrentá-lo com todas as forças”, diz Brandão, que, como todo mundo, também tem seus medos – o dele é o de não entender o medo. “Se o cérebro recebeu um sinal de alerta, vai reagir como se estivéssemos frente a frente com o leão mais feroz da África, mesmo que se trate só de uma inofensiva barata”. 

Os motivos pelos quais uma pessoa tem um medo maior ou menor diante de um inseto, por exemplo, ou não tem coragem de enfrentar uma platéia variam de pessoa para pessoa e dependem da história de vida de cada um. Mas a maneira de tentar superá-los é bem similar. “É necessário acolher o medo, em vez de negá-lo ou diminuir sua importância, só assim se torna possível lidar com esse sentimento. Parece difícil? Nem tanto. É só lembrar de todas as vezes em que você já ficou muito triste. Não foi melhor assumir que estava mal mesmo e chorar tudo o que tinha para chorar? Com o medo, é a mesma coisa. Para que ele não vire um bicho-papão, o melhor é encará-lo de frente, sem reservas.

Você tem medo do quê?

De não encontrar a cara-metade
De dirigir
De ir a uma festa sozinho, de falar em público, de dizer “eu te amo”
De animais
De dentista.

Quando vira fobia?

Quando começa a impedir atividades do dia-a-dia. Aí, o sentimento passa a se chamar transtorno de ansiedade e muitas vezes requer tratamento médico. A síndrome do pânico também faz parte desse caldeirão. Afinal, é um período de intenso temor, injustificado, com sintomas característicos, como taquicardia, suor, dor no peito, tontura. É até possível se curar sozinho, mas o mais recomendável é procurar uma terapia.

Para cada tempo de vida, um tipo de medo

NA INFÂNCIA
De escuro, de bicho-papão, da morte da mãe e do pai, de ser filho adotivo, de ter um monstro embaixo da cama.

NA ADOLESCÊNCIA
De não usar a roupa certa no primeiro dia de escola, de ser o último a beijar na boca, de ir mal na prova, de não passar no vestibular, de não poder viajar nas férias.

NA MATURIDADE
De ficar desempregado, de se separar, de não casar, de não saber cuidar dos filhos, de ter que cuidar dos pais, de não conseguir comprar a casa própria.

NA VELHICE
De morrer, de ficar doente, de não ter tempo de conviver com os netos, de perder a memória, de ficar só, de perder as forças para fazer as coisas de que gosta.

Como se livrar disto?

fazer ioga – a ioga e a prática da meditação produzem um efeito colateral positivo. Quando sentir um frio na barriga por algum medo, pratique algumas respirações da ioga e se acalmará.

Procure ajuda – psicoterapia pode ajudar a entender o que acontece com você.

Texto adaptado da Revista Bons Fluidos

Deixe um Comentário