Gênio Indomável

 

Will Hunting é um jovem com uma inteligência espetacular para resolver equações e problemas matemáticos complexos, mas que também, por ser rebelde, já teve passagens pela polícia. Certo dia ele é descoberto por um professor universitário, que o encaminha para o terapeuta Sean, que vai tentar ajudá-lo a resolver seus problemas emocionais.

Analise do Filme:

O tema central do filme: genialidade lógica não equivale à inteligência emocional.  Will é extremamente inteligente, possui um raciocínio lógico fantástico (o qual inclusive superou o do professor Lambeau), é realmente um gênio.  Tal característica é própria dele, é diferente daquelas pessoas que são inteligentes porque se esforçam e estudam muito. Will já nasceu com essa capacidade, e só foi aprimorando-a (consegue resolver facilmente complexos problemas de matemática combinatória, química orgânica, tem uma incrível capacidade para guardar informações).  É uma espécie de superdotado, pessoa que nasce com uma quantidade maior de conexões (sinapses) entre um neurônio e os outros (não possuem mais neurônios, como se acreditava antes), o que, dentre outras coisas, faz com que pensem mais rápido, sejam mais criativos e tenham uma memória afiada, caso comparados a maioria da população. No entanto, essa genialidade não é garantia de sucesso ou de uma condição financeira estável.  Vários fatores são necessários para se obter sucesso, como esforço, dedicação, determinação, vontade. Nada adianta ser um gênio desmotivado e sem perspectivas.

Como visto, “Gênio Indomável” trabalha em torno do conceito inteligência. Existem vários tipos de inteligência, tais como: lingüística, emocional, intrapessoal, interpessoal, corporal, musical, lógico-matemática.  Will é uma pessoa sem inteligência emocional, é vazio, não sabe como lidar com seus sentimentos. E parte dessa característica é decorrente de sua história de vida. Ele é órfão, criado em orfanato (em outras palavras, não teve carinho, amor e proteção de pais na época em que mais precisava), teve contato com cigarro e violência desde muito novo. Nessa parte, pode-se identificar a influência que o meio exerce sobre os personagens (o que remete à tese do Determinismo, na qual Hippolyte Taine afirmava que as características das pessoas/personagens seriam determinadas ou influenciadas por três fatores: raça, momento e meio). O meio determinou muitas características emocionais de Will.

A dificuldade de falar sobre seus sentimentos faz com que Will utilize sua grande capacidade de análise, observação e compreensão para tentar descobrir as sensações de outras pessoas a partir de suas atitudes, gestos e objetos. Trata-se de uma técnica de defesa (atacar primeiro para não ser atacado), pois consegue abalá-las emocionalmente, atacando seus pontos fracos, e com isso impede que os outros o ataquem e que eventualmente  falem sobre sentimentos de Will (ponto que quer manter bem protegido). Um exemplo é a análise que fez sobre a pintura de Sean. Will nunca colocou crédito nos terapeutas, sempre arrumava uma maneira para aborrecê-los. Quanto a Sean, a partir de um quadro, descreveu que o psicólogo estava no meio de uma  tempestade, desesperado, sem ter um “porto seguro” (motivo pelo qual o levou à escolha dessa profissão). Talvez tivesse casado com a mulher errada, que o traiu ou abandonou. Porém, sentimentos não são lineares, são muito subjetivos, o que faz Will errar, pois a mulher de Sean havia morrido de câncer.

A vida é a mescla entre o emocional e o racional. Pessoas como Will tem apenas o conhecimento superficial adquirido em livros, nunca foram dominadas pelas mais puras emoções, como acordar ao lado da mulher amada, ter um colo amigo para desabafar nas horas difíceis, nunca passaram por nada, nunca amaram ninguém mais do que a si próprias, são fechadas e têm um grande vazio emocional. Não há pesquisas que expliquem porque pessoas  extremamente inteligentes apresentam dificuldades para se relacionar e lidar com suas emoções. Uma possível explicação seria que tais gênios gostam de ter a sensação de controle, prever o que vai acontecer. Contudo isso não se aplica aos sentimentos, é muito difícil saber a reação de alguém diante de uma determinada situação. Logo, com medo de se frustrarem, caso as coisas não aconteçam do jeito que imaginam, preferem não vivê-las, chegando ao ponto de terminarem relacionamentos amorosos para não descobrirem as imperfeições do parceiro ou para não correrem o risco do abando, traição. Têm dificuldade de se relacionar com o mundo real, pois sempre imaginam coisas negativas no futuro.  Outra característica é o descontrole emocional. Como não expressam suas sensações, essas ficam armazenadas, e vão se acumulando até a hora que explodem.  A princípio essas pessoas são dominadas pela raiva, não possuem total controle sobre o que falam (as palavras saem involuntariamente) ou fazem, e com isso acabam ofendendo e magoando aqueles que mais as amam e ajudam. Depois de descarregar parte desses “sentimentos acumulados”,  choram e sentem-se confusas por não saberem mais o que querem de suas próprias vidas.  Por isso a ajuda de profissionais é essencial.  Sean, preocupado com o desenvolvimento moral de Will, ajudou-o a abrir novos horizontes, a falar sobre suas emoções, que o erro pode ser uma outra forma de aprendizado e que a felicidade plena só é obtida quando atingimos o equilíbrio. Com essa nova concepção sobre a vida, as chances de Will ser uma pessoa bem sucedida (tanto no âmbito profissional quanto moral) são muito maiores.

Fica claro que Gênio Indomável é imperdível. Além de ter uma equipe fantástica e roteiro muito bem elaborado, aborda temas de grande relevância. A união dessas características torna o filme surpreendente, original, e com chances mínimas de gerar decepção aos telespectadores em qualquer aspecto a ser avaliado.

Deixe um Comentário